15 março 2012

O Horácio



Há coisas que lemos, vemos, assistimos, ouvimos ou presenciamos que não nos sai da cabeça, ou permanecem mais tempo do que outras, muitas vezes nos tirando o sono. O que devemos fazer com isso? Simples: botar pra fora!

Assim, boto pra fora aqui – da mesma forma que fiz com o filme “Natimorto” - a peça teatral que assisti neste último sábado, dia 10/03: O Horácio, de Heiner Muller, em montagem concebida pelo grupo Teatro de Riscos (Faculdade Barão de Mauá-Ribeirão Preto-SP), direção de Carlos Canhameiro.

Fui ao Espaço “A Coisa” para a madrugada literária, esquecendo-me de que haveria antes, uma peça teatral. Chegando lá, gostei de ser lembrada da existência da peça, sobre a qual fui me inteirar no folder das apresentações do mês: título: Horácio, de Heiner Muller.

Confesso que não esperava um grande espetáculo, não conhecia o grupo e nem a peça, não havia ouvido nada sobre a apresentação. Já tinha ouvido o nome do autor, porém nada conhecendo sobre sua obra.

Começa a peça.

Sucedem-se as cenas, cada uma melhor e mais surpreendente do que a outra. A atuação e profissionalismo dos atores – ainda estudantes de teatro - chama a atenção. A peça mostra-se diferente. Não sei que tipo de teatro é aquele. Como os atores narram a história com distanciamento, sucedendo-se nos papéis, puxei na memória algo que li há muito tempo sobre ser assim o teatro de Brecht. Pensei, será?

Logo no início, ovos são digeridos por uns e regurgitados por outros no chão.. No decorrer da peça garrafas de vinho são entornadas na boca e nas cabeças dos atores. O cheiro do ovo cru paira no ar. As camisas brancas dos rapazes e os vestidos das moças, imundos de ovos e vinho desfilam sob os olhares curiosos da platéia. (que por sinal, comportou-se muito bem, dado que estamos numa cidade interiorana, caipira, até)

A cumplicidade e a química entre os atores são incríveis. Nota-se o afinco e a seriedade com que trabalharam para que essa montagem que acredito ser experimental fosse bem sucedida – e foi – sem dúvida alguma. Vê-se aí, a formação de verdadeiros, jovens e grandes atores despontando e alavancando o teatro nacional gerado no interior para uma ousadia certeira.

No final da peça, Horácio, nu, despido da glória e da vilania, atira uma melancia (seu próprio corpo morto?) que se espatifa no chão e é devorada pelos atores. Segundos depois, um frango cru também é atirado e destroçado pela turba. A surpresa e a catarse dessa cena foram sem precedentes no meu - não muito extenso - currículo de espectadora teatral.

Mais adiante, farinha de trigo também é utilizada. A encenação é permeada por desdobramentos metafóricos que remetem como críticas à sociedade moderna e contemporânea, por meio de dança coletiva ao som de, por exemplo, Menina Jesus do Tom Zé e outras, cantada e instrumentalizada pelos próprios atores.

A peça termina. Não tenho palavras. Só choque e admiração. Em casa, busco informações sobre o grupo e a montagem.


Abaixo, a sinopse e os links que falam sobre a montagem:

Sinopse: As cidades de Roma e Alba estavam em luta pelo poder e ao mesmo tempo eram ameaçadas pelos etruscos. Para os exércitos não se enfraquecerem diante do inimigo em comum, os chefes decidiram que por cada cidade lutaria apenas um homem. A sorte determinou que lutasse por Roma, um Horácio; e por Alba, um Curiácio.
Os exércitos, ao perceberem que a imã do Horácio escolhido era noiva de Curiácio, indagaram se a sorte deveria ser tirada novamente, mas mesmo assim ambos mantiveram as escolhas e resolveram lutar. Horácio venceu Curiácio e ao voltar para Roma, glorificado, deparou-se com a irmã chorando pelo noivo derrotado. Indignado com a reação inesperada, Horácio enfiou sua espada no peito da irmã,silenciando todas as comemorações. Após essa atitude, os romanos tiraram da mão de Horácio, sua espada, e resolveram realizar um julgamento para decidir o destino do vencedor que também era um assassino.




http://rogerioviannatatui.blogspot.com/2011/10/porque-o-indigesto-as-vezes-e.html
http://www.baraodemaua.br/noticias/detalhar.php?idNoticia=1986
http://pt-br.facebook.com/events/248562908565062/?ref=nf
http://www.araraquara.sp.gov.br/noticia/Noticia.aspx?IDNoticia=3994
http://www.overmundo.com.br/overblog/horacios-curiacios-e-russos


14/03/2012

2 comentários:

Marcelo disse...

Olá, faço parte da Cia. Teatro de Riscos e gostaria de dizer que sinto um carinho muito grande por este trabalho e fico muito feliz quando leio comentários tão sinceros como os seus.
Caso tenha interesse em vê-lo novamente, estaremos nos apresentando dias 7 e 14/04 na Casa das Artes, Av. Caramuru 1516.

Muito obrigado pelas palavras...

Liv´s From Lórien disse...

Olá Marcelo, obrigada pelo comentário! Realmente, gostei demais da peça, vcs estão fazendo um trabalho incrível! Parabéns! E obrigada pela informação sobre a nova apresentação!
Abraços!